Quinta, 23 de Maio de 2024
18°

Tempo limpo

Brasília, DF

Senado Federal Senado Federal

Após CPI da Braskem, Rodrigo diz que vai monitorar desdobramentos

Em pronunciamento no Plenário nesta quarta-feira (15), o senador Rodrigo Cunha (Podemos-AL) destacou o trabalho da Comissão Parlamentar de Inquérit...

15/05/2024 às 21h09
Por: Divino Candido Fonte: Agência Senado
Compartilhe:
 - Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
- Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Em pronunciamento no Plenário nesta quarta-feira (15), o senador Rodrigo Cunha (Podemos-AL) destacou o trabalho da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Braskem. A CPI pediu o indiciamento de dirigentes e técnicos da Braskem envolvidos no desastre ambiental provocado pela extração de sal-gema, que resultou no afundamento de cinco bairros em Maceió (AL).

O colegiado, que atuou durante 90 dias, concluiu que a exploração indiscriminada, sem os devidos cuidados, foi responsável pela tragédia. Rodrigo ressaltou a importância das diversas etapas, que envolveram especialistas, agências reguladoras, empresários e a população afetada, além da própria Braskem.

— Todos os especialistas [ouvidos] disseram que é inaceitável que uma área urbana tenha uma exploração daquele tamanho, no tamanho de retirar mais de 700 mil caminhões de sal-gema. Realmente é algo inimaginável. Tem-se hoje a confirmação de que, quando se parava de explorar a mina, não se preenchia a mina, não se tinha o fechamento correto. São situações que foram esclarecidas e que vão fortalecer agora uma nova fase — disse.

O senador criticou os acordos firmados pela Braskem que, segundo ele, coagiram as pessoas a saírem de suas residências em troca de "indenizações injustas". O parlamentar também destacou a negligência dos órgãos responsáveis pela fiscalização ambiental, como o Instituto do Meio Ambiente de Alagoas e a Agência Nacional de Mineração.

Rodrigo ressaltou que relatórios apresentados pela Braskem buscavam atribuir o incidente a causas naturais, ignorando as evidências científicas. O relatório final da CPI indiciou cerca de 12 pessoas e a empresa por diversos crimes, marcando um importante passo na busca por justiça.

— Foi uma CPI que buscou a verdade, que teve começo, meio, e o fim não vai ser hoje. Porque nós vamos acompanhar cada passo que será dado em benefício da população de Alagoas, numa busca constante de não permitir que a impunidade seja o combustível para que crimes como esse continuem acontecendo, não só em Alagoas, mas em todo o Brasil — enfatizou.