Quinta, 23 de Maio de 2024
18°

Tempo limpo

Brasília, DF

Cultura Cultura

Exposição fotográfica na CLDF relembra 60 anos do golpe militar

Recordar para não repetir. Esse é o propósito que orienta a exposição “Tempos de Chumbo”, com 41 imagens do fotógrafo Orlando Brito registradas ao ...

02/05/2024 às 18h45
Por: Divino Candido Fonte: Agência CLDF
Compartilhe:
Foto: Carolina Curi/ Agência CLDF
Foto: Carolina Curi/ Agência CLDF

Recordar para não repetir. Esse é o propósito que orienta a exposição “Tempos de Chumbo”, com 41 imagens do fotógrafo Orlando Brito registradas ao longo da última ditadura militar brasileira. Por iniciativa do deputado Gabriel Magno (PT), a mostra foi inaugurada nesta quinta-feira (02) na Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF). Todos podem acessar a Galeria do Espelho D’Água para apreciar as obras até o dia 15 de maio, de forma gratuita.

Manifestações populares contra o golpe, estudantes reprimidos na Universidade de Brasília (UNB), soldados treinando táticas de tortura, um corpo abandonado às margens do rio Araguaia são algumas das cenas que percorrem a história da ditadura. Os registros também enquadram a reabertura política em cenas que expõem, por exemplo, o ex-presidente João Figueiredo engravatado em uma plateia formada por militares fardados, o movimento das Diretas Já, o túmulo de Tancredo Neves.

“Até hoje a gente não sabe quantos foram e quem foram aqueles assassinados pela ditadura militar brasileira, que não foi uma ‘ditabranda’ ou uma ditadura tranquila. Ela perseguiu, torturou e matou milhares de brasileiros e brasileiras. Se tivesse matado um já seria muito grave, mas foram milhares que até hoje estão escondidos”, denunciou o presidente da Comissão de Educação, Saúde e Cultura (Cesc), Gabriel Magno.

Em sua fala, o distrital tratou da centralidade do debate sobre o direito à memória e à verdade para se preservar a história. Instaurado no dia 1° de abril de 1964, o regime militar perdurou por mais de 20 anos, até 15 de março de 1985. 

“Eu acredito que os tempos de chumbo são tempos passados, mas que ficam à espreita da gente”, alerta Carolina Brito, curadora da mostra e filha do artista. Ela destacou a importância da exposição para as novas gerações, que não viveram aquele período histórico. “É fundamental que todos saibam, lembrem e relembrem para que não aconteça mais”, declarou.

“Um trabalho como esse é inquestionável”, analisou a presidente do Conselho Curador de Cultura da CLDF, Jane Marrocos. “Boa parte desses registros eu tenho na minha memória de estudante e de cidadã”, complementou. Ao refletir sobre as atividades culturais da CLDF, Jane analisou que a curadoria retrata o que a casa é, por isso tem caráter plural.

Algumas das imagens apresentadas talvez sejam conhecidas dos visitantes que pode tê-las descoberto em livros de história ou nas páginas dos jornais. Feita em 1964, a primeira foto do presidente Castello Branco é uma das que inicia a exposição. Outro registro marcante é a sequência, de 1979, que eternizou o acidente que matou dois soldados durante uma demonstração militar, em Osório (RS).

A trajetória de Orlando

“Um personagem que se confunde com a própria história da resistência e da democracia”, sintetiza o deputado Gabriel Magno.

Ícone do fotojornalismo brasileiro, Orlando Brito mudou-se para Brasília ainda menino e no DF construiu a sua carreira. Ele transitou entre os principais veículos de imprensa do país e acumulou uma série de prêmios, inclusive o “World Press Photo Prize”, do Museu Van Gogh de Amsterdã, um dos mais prestigiados prêmios de fotojornalismo do mundo. 

As lentes de Orlando capturaram cenas cotidianas da população, assim como traduziram alguns dos principais acontecimentos da vida política nacional. Com vasta experiência na cobertura política, ele registrou todos os presidentes do país desde Castelo Branco até Jair Bolsonaro. Orlando faleceu em 2022.

Daniela Reis - Agência de Notícias da CLDF